Espécies Nativas

Tarumã, Maria preta – Vitex polygama

Sementes de Tarumã, Maria preta - Vitex polygama

Tarumã, Maria preta – Vitex polygama


[WRP id=2025]

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: TARUMÃ-BORI vem do Tupi guarani e significa “Fruta escura de fazer vinho”. O adjetivo BORI descreve a coloração azulada do fruto. Também recebe os nomes de Tarumã de fruta azul, Tarumã do cerrado, Tarumã de folha larga, Maria preta, Mameira e Velame do campo. 

ORIGEM: Nativa do cerrado e da floresta semidecidual ou na transição entre esses ambientes, ocorrendo sempre em solos férteis, aparecendo nos estados da Bahia até o Rio de Janeiro e também em Minas Gerais e São Paulo, Brasil. Mais informações no link: http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/listaBrasil/ConsultaPublicaUC/BemVindoConsultaPublicaConsultar.do 

CARACTERISTICAS: A arvore atinge de 6 a 10 metros quando isolada e no meio da floresta chega a 20 metros de altura. A copa tem forma de taça e é pouco globosa. A casca é castanha e escura e desprende-se em laminas longitudinais, já o tronco é reto e mede de 20 a 50 cm de diâmetro. As folhas são compostas, opostas e digitadas (com 5 folíolos semelhantes a dedos), sob pecíolo ou haste de 10 a 13 cm de comprimento que são pilosos (cobertos de pequenos pelos) e tem coloração verde abacate. Cada foliado mede 09 a 17 cm de comprimento por 4 a 6 cm de largura, estes tem textura cartácea (de papel cartolina), são elipitica-ovalada (com forma de ovo alongado), com base arredondada ou cuneada (em forma de cunha) e ápice apiculado (com ponta curta). A lamina é pubescente na face superior e tomentosa (coberta de lanugem) na face inferior. As flores são hermafroditas, e nascem em inflorescência cimosa (cacho terminal bíparo – organizado a base de 2) com cerca de 6 a 14 flores pequenas de 1,5 cm de diâmetro com cálice (invólucro esterno) campanulado (com forma de sino) de cor esbranquiçada e corola (invólucro interno) labiado (com um lado maior) e lobado (com 5 recortes ou reentrância) de coloração violácea e superfície velutina (semelhante a veludo). O fruto é drupáceo de 2,5 cm de comprimento por 2 cm de diâmetro, com cálice esverdeado persistente e casca roxo azulada e pulverulenta (como se estivesse recoberta de pó) envolvendo uma polpa cremosa de cor amarelo escuro que esconde uma semente tubulosa de cor creme, com 1,5 cm de comprimento por 0,7 cm de diâmetro. 

Dicas para cultivo: É arvore de grande rusticidade, adaptando-se a solos ácidos de terrenos vermelhos ou arenosos que drenem bem a água, embora a planta tolere alguma umidade, pois também habita as matas de galeria nas proximidades de rios. Pode ser cultivada em todo o Brasil em altitude variando de 200 a 1.600 m acima do nível do mar. Aprecia solos profundos, com fertilidade natural, que retenham um pouco de umidade e tenham pH em torno de 4,5 a 6,5, suportando secas de até 6 meses e a temperaturas mínimas de até – 3 graus no inverno e máximas de até 44 graus no verão; com índice de chuvas variando desde 800 a 2.200 mm anuais.  

Mudas: As sementes são cilíndricas e ortodoxas (com casca dura e conservam o poder germinativo por mais de 1 ano). Podem ser plantadas em canteiros (para posterior transplante quando as plântulas estiverem com 10 cm) ou colocando 2 sementes diretamente em embalagens individuais contendo substrato feito de 40% de terra vermelha, 20% de areia de cio e 40% de matéria orgânica curtida. Deixar os saquinhos em ambiente à pleno sol; a taxa de germinação fica em torno de 80% e ocorre em 40 a 80 dias, dependendo das condições climáticas. O desenvolvimento das plantas é rápido atingindo 40 cm com 8 a 9 meses após a germinação. As plantas iniciam frutificação com 3 a 5 anos após o plantio a depender do clima e tratos culturais. 

Plantando: Pode ser plantada a pleno sol como em bosques com arvores grandes bem espaçadas. Recomendo o espaçamento de 3 x 3 m para reflorestamento ou espaçamento de 6 x 6 m para pomar doméstico.Faça cova com 50 cm de altura, largura e profundidade e adicione aos 30 cm de terra iniciais 500 g de calcário, 1 kg de cinzas e 7 a 8 pás de matéria orgânica, deixando curtir tudo por 2 meses. A melhor época de plantio vai de agosto a dezembro. Irrigar a cada quinze dias nos primeiros 3 meses, depois somente se faltar água na época da florada. 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco ou os voltados para baixo ou os que se cruzarem com outros. Adubar nos meses de setembro ou outubro com composto orgânico, pode ser 4 a 6 pás de cama de frango bem curtida + 30 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 3ª ano. 

Usos: Frutifica nos meses de Fevereiro a Abril. Os frutos são comestíveis e adocicados com um sabor agradável. Os frutos servem para fazer ótimo vinho ou para a fabricação de licor. Também podem ser empregados na fabricação de doces e geleias utilizadas em coberturas de bolos, recheios de chocolates e outras iguarias. Quando despolpados e batidos no liquidificador com laranja ou tangerina, produzem um suco refrescante e delicioso. As propriedades nutricionais ainda não foram pesquisadas e descritas. A arvore do é bastante ornamental e podem ser utilizadas em paisagismo de praças, jardins públicos e avenidas. Por ser indiferente as características do solo, servem muito bem para o reflorestamento de áreas degradadas e de reflorestamentos mistos para preservação permanente e alimentação de diversas espécies de animais.  


Fotos: Gilberto Vasconcelos


 

Sobre o autor

Gilberto Vasconcelos

Viveirista florestal

Deixe um comentário

© 2017. Conteúdo produzido pela